Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização. Saiba mais sobre

os cookies

Eu entendo

O que são e para que servem os cookies?

Os cookies são pequenos ficheiros de informação que ficam guardados no seu computador, tablet, telefone ou outro dispositivo com acesso à Internet, através do browser. As informações retidas pelos cookies são reenviadas ao servidor do site sempre que o browser abre uma das suas páginas.

Os cookies ajudam a determinar a utilidade, o interesse e as utilizações de um site, permitindo uma navegação mais rápida e eficiente. Evitam a introdução repetida das mesmas informações.

Que tipo de cookies utilizamos no portal?

Existem dois tipos principais de cookies: os de sessão e os permanentes. Os cookies de sessão são temporários e só permanecem no arquivo de cookies até o utilizador sair do site, pelo que são apagados quando fecha o browser. A informação obtida serve para analisar padrões de tráfego, o que facilita a identificação de problemas. Já os cookies permanentes ficam guardados até o utilizador apagá-los manualmente ou a data de validade expirar. São utilizados sempre que o utilizador faz uma nova visita ao site para um serviço mais personalizado, ajustando a navegação aos seus interesses.

Destes, utilizamos cookies para várias finalidades. Os cookies analíticos são utilizados anonimamente para efeitos estatísticos. Os cookies de funcionalidade guardam as preferências do utilizador. Os cookies de terceiros medem o sucesso de aplicações e podem ser utilizados para personalizar botões, menus, ícones e outras componentes de interface gráfica com dados do utilizador (denominados widgets).

Não armazenamos informação de identificação pessoal nos cookies que utilizamos. Também não usamos os cookies para direccionar publicidade aos nossos utilizadores em função da sua navegação, nem para outros fins publicitários próprios ou de terceiros.

Como gerir os cookies?

Todos os browsers permitem ao utilizador aceitar, recusar ou apagar cookies em qualquer altura, configurando as definições apropriadas no respectivo programa de navegação. Pode configurar os cookies no menu “opções” ou “preferências” do seu browser.

Note-se que ao desactivar cookies, perde o preenchimento automático de alguns dados, como os de login. Além disso, pode impedir que alguns serviços online funcionem correctamente, afectando a navegação no site.

Mais informação

Para saber mais sobre cookies, consulte os seguintes links (em inglês):

A Alienação Parental

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

A Alienação Parental é todo um conjunto de acções, conscientes ou não, desenvolvidas no sentido de denegrir a imagem e os afectos de um dos pais com os filhos com o objectivo de os afastar o mais possível. Este processo resulta em danos, muitas vezes irreversíveis, na relação que antes era positiva entre o filho e o pai alvo da alienação.

Estes actos não são exclusivos de um pai ou de uma mãe, podendo ser iniciados por um outro familiar próximo, amigo ou alguém que possua uma relação de grande proximidade com a criança, embora seja mais comum ser uma campanha de um ou de ambos os pais, mas mais frequentemente, a mãe. 

Independentemente dos motivos que desencadeiam todo este processo, o ponto de ignição é geralmente precedido de um divórcio - a primeira fase de afastamento físico - apesar de muitas vezes já haver alguns indícios, actos premeditados ou de circunstância até quando a família se encontrava num estado aparentemente normal.

A "missão" poderá ser iniciada logo no processo do divórcio, normalmente, litigioso ou com esse intuito, mesmo que se transforme em acordo na primeira audiência. 

Existindo preconceitos da parte da sociedade, que naturalmente se estendem à esfera dos tribunais, de que a figura materna é a referência da criança, imprescindível no desenvolvimento e acompanhamento desta, o papel do pai torna-se secundário, dispensável e, por vezes até questionável quanto à sua capacidade nos cuidados dos filhos.

Aqui começam os problemas:

Por defeito e não havendo acordo pela guarda partilhada ou alternada, é atribuído o papel de guardião principal à mãe, salvo reduzidas situações em que se verifica uma incapacidade desta de zelar pelo bem estar dos filhos menores e do esperado cumprimento dos deveres parentais, inclusive o de permitir o normal convívio dos filhos com o outro progenitor.

 

 

 

Eduardo Sá - Psicólogo

"A Alienação Parental representa um processo de uma enorme perversidade, pois faz-se com dolo para um dos pais e a pretexto da vontade expressa ou sob o consentimento tácito de uma criança."

Christel Petitcollin - Terapeuta

"Falamos de Alienação Parental quando um dos pais da criança se assume como manipulador e procura instrumentalizar a criança para punir 0(a) antigo(a) companheiro(a)."

Frases002
Frases003
Frases004
Frases005
Frases006
Frases007
Frases008
Frases009
Frases009
Frases010
Frases011
Frases012
Frases013
Frases014
Frases015
frases001-odio
© 2016 AlienacaoParental.pt